Artigos

Voltar

Suplementos desnecessários

Embora a suplementação alimentar só deva ser feita com recomendação de um especialista, o uso indiscriminado desses produtos é comum no Brasil, o que preocupa a classe médica.

23/10/2018 08:59:00 - Postado há 23 dias

Quando uma pessoa precisa de suplemento alimentar para ficar saudável?

A resposta é muito simples: quando há deficiência de algum elemento essencial que não pode ser ingerido na alimentação cotidiana.

Certo?

Não é o que pensa mais da metade dos adultos norte-americanos, conforme constatou recente estudo publicado na "Revista da Associação Médica Americana". Nessa importante publicação científica, acessível de forma gratuita na internet, foram identificados mais de 700 suplementos alimentares adulterados produzidos por mais de 140 companhias. A maioria desses “suplementos” foi utilizada visando à melhoria da atividade sexual, a perda de peso e o aumento da musculatura. Em um de cada cinco produtos havia mais de um ingrediente não aprovado para aquela finalidade, sendo os mais comuns o sildenafil (para atividade sexual), a sibutramina (para perda de peso) e hormônios (para aumento da massa muscular).

Apesar de a FDA (Food and Drug Admininstration), que é o órgão que controla o uso de medicamentos e suplementos nos EUA, advertir os fabricantes, esses laboratórios inescrupulosos alteram ligeiramente a fórmula de seus produtos; desse modo, continuam lucrando com consumidores iludidos ou desavisados nesse comércio milionário de cerca de US$ 35 bilhões.

Por serem rotulados como produtos alimentares, sua venda não exige prescrição médica, mas há exigência legal para que o fabricante notifique qualquer evento adverso. No entanto, algumas indústrias inescrupulosas tornam pública de forma voluntária menos da metade dos problemas identificados.

Os produtos químicos que fazem parte dessas formulações podem ser prescritos com segurança, desde que na dosagem adequada e controlados por médicos especialistas. Seu uso aleatório pode resultar em interações perigosas com outros medicamentos ou produzir mudanças das condições de saúde prévias do indivíduo, o que pode levar até à morte.

A suplementação alimentar só deve ser feita com a recomendação de um especialista, que, com base no histórico do paciente e em exames, poderá avaliar a real necessidade do uso de um complemento. Na maioria das vezes, o problema pode ser sanado com uma reeducação alimentar e com atividade física — medidas mais simples, baratas e eficazes.

Não há a menor dúvida de que esses “suplementos” são largamente consumidos no Brasil. Diariamente, chegam às nossas emergências pacientes que têm boa condição social e econômica em situações clínicas graves inexplicadas, apenas esclarecidas tardiamente, quando os próprios pacientes ou seus familiares revelam que eles usavam esses produtos, por muitos considerados “naturais” e, portanto, “não perigosos”.

Fica esse alerta para quem compra pela internet ou pede a um amigo para trazer do exterior “aquele super suplemento”, ludibriado por anúncios, alguns protagonizados por pessoas famosas.


* Alfredo Guarischi é médico.
Fonte: O Globo
Edição: F.C.

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Nossos Programas