Artigos

Voltar

5 verdades que a pessoa emocionalmente madura deve aceitar

A pessoa emocionalmente madura aprende com suas dificuldades. O conceito de maturidade emocional foi um dos pilares das teorias de Albert Ellis, pai da terapia cognitivo-comportamental.

15/02/2019 15:39:00

A pessoa emocionalmente madura sabe que a vida não é fácil ou justa. Por isso, não responsabiliza ninguém pela sua felicidade ou sofrimento, nem coloca a chave do seu bem-estar no bolso de outras pessoas. Ela se limita a assumir a responsabilidade por suas decisões, é arquiteta de cada um dos seus passos e escolhas, bem como de suas possíveis consequências.

O conceito de maturidade emocional foi um dos pilares das teorias de Albert Ellis. Assim, para aqueles que não conhecem o pai da terapia cognitivo-comportamental, cabe destacar que foi uma das figuras mais notáveis dentro da psicologia. Seu entusiasmo pela vida e por seu trabalho é difícil de igualar.

Escreveu mais de 80 livros, 1800 artigos, formou mais de 200 terapeutas e criou um instituto que leva seu nome, onde ensina as pessoas a identificar, questionar e substituir suas crenças negativas ou limitantes por outras mais saudáveis. Aquelas que promovem o bem-estar e o crescimento emocional para que a pessoa possa conquistar seus próprios objetivos.

Assim, em todos os seus trabalhos emerge sempre a necessidade de transmitir ferramentas básicas com as quais facilitar o nosso crescimento e maturidade como seres humanos. Essas chaves ou princípios que expomos a seguir contêm a essência desse conhecimento que Albert Ellis nos deu através do que ele considerava seu verdadeiro propósito: tornar o sofrimentomais manejável.

A pessoa emocionalmente madura entende que o mundo não é como deseja

Muitos de nós gostariam de poder editar o passado. Ser como o escritor que termina um capítulo e decide apagar certos parágrafos para que a história faça mais sentido.

No entanto, quer acreditemos ou não, às vezes a vida não tem sentido. Há coisas que acontecem sem qualquer explicação; são eventos, fatos e circunstâncias que somos obrigados a aceitar para continuar avançando.

Da mesma forma, a pessoa emocionalmente madura aprendeu que não pode mudar as pessoas. Não pode esperar que os outros ajam ou digam o que se espera. Tudo isso é, sem dúvida, mais uma fonte de sofrimento inútil.

Sabe que para ser feliz, deve ser responsável por si mesma

Bertrand Malle, psicólogo cognitivo da Universidade de Brown, realizou um estudo em 2004 para analisar a relação entre a felicidade e a forma como a nossa mente entende o conceito de responsabilidade pessoal.

Assim, um fato que permanece em evidência é que o ato de assumir que a responsabilidade pelo que nos acontece está nas mãos dos outros gera um claro desconforto. É como viver no território de avestruzes, é esconder a cabeça enquanto culpamos o mundo por nossos fracassos e desânimos.

Fica claro, no entanto, que não temos controle sobre todos os aspectos da nossa realidade. No entanto, temos a oportunidade de escolher como agir diante da realidade que temos que viver. É aí que reside a chave; este é, sem dúvida, o plano de rota que a pessoa emocionalmente madura tem em mente todos os dias.

Descobriu que tem permissão para mudar quando quiser

A pessoa emocionalmente madura se permite mudar. Porque mudar é crescer e é ajustar o curso com maior precisão depois de ter adquirido novos aprendizados.

Dar um passo adiante no nosso crescimento muitas vezes significa deixar as coisas e as pessoas para trás para reduzir as cargas que nos limitam, corroem valores pessoais e o bem-estar. Algo assim implica reunir coragem para entender que o nosso potencial está em assumir mudanças periodicamente.

Deve carregar uma bússola emocional no seu bolso

Em cada viagem ao longo de nossos caminhos vitais, precisamos de uma bússola emocional. Uma que sempre nos oriente para o norte, onde os medos não pesam demais, onde não há angústias e onde a ansiedade não diminui nossos passos.

A pessoa emocionalmente madura aprendeu a lidar com os estados que lhe trouxeram consequências indesejáveis, a partir dos quais, de algum modo, obteve conhecimento. Porque toda bússola deve estar bem calibrada, e isso é aprendido através da experiência, estando mais atentos aos estados internos, aos pensamentos irracionais, às emoções que tiram o pior de nós mesmos.

Não é preciso estar apaixonado para ser feliz

A pessoa emocionalmente madura não busca o amor obsessivamente. Não o evita, não foge dele, mas tampouco o necessita. Porque se há algo que entende é que em questões afetivas o que vale a pena, o que conta, é poder continuar crescendo. Continuar aprendendo junto com alguém que enriquece a jornada da vida, uma pessoa que não veta valores emocionais, mas que os impulsiona e os expande.

Assim, no coração de alguém emocionalmente maduro só cabem os amores que sabe equilibrar, os sonhos e projetos onde todos podem seguir seus objetivos, mas tendo um espaço em comum. Se isso não acontecer, a solidão sempre será preferível, porque nesse território podem habitar o bem-estar e a satisfação pessoal.

Para concluir, um aspecto deve ser observado. Ninguém chega neste mundo sendo uma pessoa emocionalmente madura; este assunto é aprendido ao longo do tempo, e dia após dia novas e melhores habilidades são adquiridas para incluir em nossa bagagem existencial. Portanto, sejamos receptivos a esse tipo de aprendizado. 

Fonte: Mente Maravilhosa
Edição: C.S.  

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Nossos Programas