Notícias

Tamanho da fonte: a- A+

Publicado em: 20/11/2008

Inca desaconselha exame de toque

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) desaconselhou o rastreamento por meio de exames de PSA e de toque retal para prevenção do câncer de próstata. A recomendação aos médicos foi publicada há dois meses, no site do instituto, e apóia-se em cinco estudos internacionais, que não comprovaram que esses exames tenham impacto na redução da mortalidade.

Em 2007, o Sistema Único de Saúde gastou R$ 35 milhões com a realização de 2,5 milhões de exames de PSA e 20 mil biópsias de próstata.

O médico sanitarista Marcus Valério de Oliveira, da Divisão de Gestão da Rede Oncológica do instituto, ressaltou que a recomendação é para os casos assintomáticos. "O Inca nunca recomendou essa prática, mas achamos que valia a pena deixar claro que não vale a pena usá-la como estratégia de saúde pública do Ministério da Saúde", disse ele.

Segundo Oliveira, a realização rotineira do toque retal e o rastreamento de PSA gera "um monte de biópsias e stress desnecessário".

Segundo o professor-titular de urologia da Faculdade de Medicina da USP, Miguel Srougi, indicar o exame apenas quando existem sintomas da doença não faz sentido, uma vez que o câncer de próstata pode ser assintomático.

"Existem casos de tumores indolentes, mas eles são apenas 15% dos casos", diz Srougi. "Outros 25% são de casos incuráveis e 60% são casos que podem ser tratados."

Para o presidente da regional paulista da Sociedade Brasileira de Urologia e professor da Unicamp, Ubirajara Ferreira, a indicação do Inca é um atraso no combate ao câncer. "Dos pacientes que chegam ao nosso serviço em estado avançado da doença, 40% nunca teve um sintoma", diz.


Fonte: Estado de São Paulo
Edição: F.C.
20.11.2008


[x] Fechar






[x] Fechar





Comentários

    Nenhum Comentário Cadastrado.

Rir é o Remédio