Decisão final: FDA bane luvas talcadas em cirurgias e na prática clínica

O talco utilizado dentro de todos os tipos de luva tem sido associado a muitos eventos adversos potencialmente graves.

Publicado em: 28 de Dezembro de 2016
Tamanho da letra:
A
A
Link permanente:
   

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA finalizou uma norma banindo o uso de luvas talcadas na medicina por conta dos riscos à saúde humana. O banimento, inicialmente proposto em março de 2016, dará impulso aos esforços já em curso para acabar com o uso de luvas cirúrgicas e de exame já talcadas, e do uso de pó absorvível para lubrificação de luvas cirúrgicas. Sociedades profissionais defendem o banimento, e muitos dos grandes sistemas de saúde já restringiram ou eliminaram totalmente o uso desses produtos, assim como a maioria dos médicos, de maneira individual. "Embora as luvas tenham um papel significativo na proteção de pacientes, profissionais de saúde e outros indivíduos em proximidade, as luvas talcadas são muito perigosas por vários motivos", informou a FDA em uma declaração.

O talco utilizado dentro de todos os tipos de luva tem sido associado a muitos eventos adversos potencialmente graves, incluindo inflamação grave de vias aéreas, reações de hipersensibilidade, reações alérgicas (incluindo asma), inflamação e dano pulmonar, granulomas e adesões em peritônio.

As reações alérgicas respiratórias também podem resultar de proteínas oriundas do talco de luvas disperso em aerossol, observa a FDA.

De acordo com a agência, alternativas sem talco tanto para cirurgias quanto para o exame de pacientes estão disponíveis e fornecem proteção, destreza e desempenho semelhantes, mas sem nenhum dos riscos associados às luvas talcadas. "Assim, uma transição para as alternativas do mercado não deveria resultar em qualquer detrimento para a saúde pública".

A maior parte de remoção de dispositivos do mercado nos EUA é iniciada pelos fabricantes, e não pela FDA. De fato, essa é apenas a segunda vez que a FDA o fez. A primeira foi a remoção de fibras capilares protéticas em 1983. A agência  agora propôs um outro banimento: o uso de dispositivos de estimulação elétrica para tratar comportamento agressivo ou de automutilação.

Fonte: medscape.com
Enviada por JC
Edição: F.C.

Comentários

Nenhum comentário cadastrado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário



Seu comentário *