Caxumba também é coisa de adulto

Considerado um mal tipicamente infantil, esse processo infeccioso ? que causa mal-estar e deixa o doente de ?molho? por duas semanas ? está sendo detectado também na fase adulta.

Publicado em: 10 de Outubro de 2007
Tamanho da letra:
A
A
Link permanente:
   

É difícil saber quantas pessoas estão hoje com caxumba no país. Os casos da doença têm evolução benigna e não precisam ser notificados aos órgãos de saúde. O único estado do país que mantém os registros atualizados é São Paulo ? tanto que foram computados, de janeiro a agosto deste ano, 191 doentes, na capital paulista e nas cidades de Campinas e Ribeirão Preto. Entre eles, estavam dezenas de adultos! Isso mesmo: adultos.

Considerado um mal tipicamente infantil, esse processo infeccioso ? que causa mal-estar e deixa o doente de ?molho? por duas semanas ? está sendo detectado também na fase adulta. A tendência acendeu um sinal de alerta e motivou a Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo a fazer uma campanha de vacinação da tríplice viral, a única capaz de prevenir a caxumba e, de quebra, sarampo e rubéola.

Aprenda um pouco mais sobre a caxumba, a doença, que antes era considerada coisa de criança, tem colocado muito adulto na cama.


1. Uma dose de vacina é insuficiente
A vacina tríplice viral começou a ser adotada na rede nacional de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), em 1992, por meio de uma única dose injetável ? recomendada para crianças com um ano de idade. Na época, verifi cou-se que 5% das crianças não tiveram uma boa resposta imunológica do organismo. A imunização perdia a eficácia depois de um tempo.

Para solucionar essa deficiência, a partir de 2004, uma segunda aplicação da vacina começou a ser recomendada em todo o país, em crianças de quatro a seis anos.

2. Quem deve tomar?
Jovens e adultos que nunca foram vacinados devem se dirigir a uma unidade de saúde mais próxima e receber uma única dose. Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, responsável pela produção da vacina no Brasil, a tríplice viral só é contra-indicada para:
● mulheres grávidas;
● pessoas com câncer e tuberculose (sem tratamento);
● pacientes que estejam sendo submetidos a medicamentos com imunossupressores, como pessoas que fi zeram transplantes de órgãos.

3. Transmissão pelo ar
O agente causador da caxumba é o vírus Paramyxovirus, transmitido por gotículas de saliva que se disseminam no ar. A pessoa se infecta, portanto, pela respiração. A pediatra Helena Sato, coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, explica que a maioria dos pacientes infectados com o vírus nunca tomou a vacina ou, então, só se imunizou com a primeira dose.

4. Efeitos do vírus
O vírus atinge o sistema linfático, responsável pela defesa do organismo, e fica incubado por até 15 dias. Depois surge o sinal característico: a inflamação das glândulas salivares (parótidas). Resultado: o rosto fica inchado e há dores e febre de até 38,5 graus.
 

5. Ela pode ?descer?
Nos homens, uma seqüela possível em 10% das vítimas é a orquite (inflamação dos testículos). ?Mas ela não costuma causar esterilidade?, diz Helena Sato. Essa complicação gera um incômodo que dura até três dias ? e só. Algumas mulheres desenvolvem ooforite (inflamação dos ovários). Apenas casos raros evoluem para a meningoencefalite, uma inflamação do sistema nervoso central, com febre alta, vômitos e sonolência. ?Os sintomas duram três dias e o tratamento é igual ao da caxumba?, explica.

6. Isolamento impede contágio
Assim que os sintomas aparecem, a doença pode ser transmitida. ?Por isso, é preciso isolar o paciente. O período de contágio dura até 22 dias?, esclarece Helena Sato. Não há tratamento específico. ?É necessário repouso?.

E, nesse período, os médicos tratam somente os sintomas com remédios para combater a febre e analgésicos para a dor?, diz a médica. Ao mesmo tempo, as pessoas que convivem com o paciente precisam ser vacinadas com a tríplice viral. ?Duas semanas após a aplicação, a pessoa já estará imune?, garante Sato.

Fonte: Viva Saúde
Edição: Clarissa Poty
10.10.2007

Comentários

Suzana

14 de Abril de 2015

Crianças de até 3 anos podem ter caxumba ?

cleia valencio

01 de Julho de 2015

tenho 41 anos, e estou com os sintomas da caxumba. é possivel eu esta com caxumba?

Regina

16 de Julho de 2015

Tenho 57 anos, e acho que nunca tive caxumba.
Hoje apos o almoço, senti que um lado do meu estava inchado.
Agora a noite está pior, e não consigo mastigar, não estou com febre.
Pode ser caxumba?

Regina

16 de Julho de 2015

Tenho 57 anos, e acho que nunca tive caxumba.
Hoje apos o almoço, senti que um lado do meu estava inchado.
Agora a noite está pior, e não consigo mastigar, não estou com febre.
Pode ser caxumba?

Rosana Souza

21 de Julho de 2015

Uma pessoa do sexo feminino pode contrair caxumba com 48 anos?

Deixe seu comentário

Seu comentário *